Tires-Iraklion

 a

    "BOCA TAURINA"

 
   O toiro era grande e bem apresentado, com casta trapio e boa pata. Arrancou-se, forte e de córnea levantada. Os forcados da cara recuaram, levando-o toureado, mas o derrote foi fatal: saíram maltratados para a trincheira. Mas, como diz a malta rija - um toiro nunca sai por pegar. Regressaram, à arena, os forcados, debaixo de grande ovação. Mais uma vez o toiro com codícia os atirou pelo ar. Outra passagem pela trincheira para pôr adesivo na farda esfarrapada. A raiva de vencer mandou-os de novo para a cabeça do toiro. "À toiro lindo!!", disse um, tão alto que se ouviu em toda a praça. Veio a investida e pega com ajuda carregada; seguiu-se com o público de pé, a aplaudir em delírio!
    E assim aterrámos nós, os forcados da cara, em Iraklion ao fim de 13 horas e meia, totalmente esfarrapados, não dos
derrotes do toiro, mas de uma noite inteira a voar.
 

António Faria e Mello

a seguir... Iraklion-Djibouti

 

 
  © Antonio Faria e Mello - Wings of Stubbornness - 2003